Connect with us

Amazonas

Alessandra e Débora saem em defesa da vereadora Profª Jacqueline durante discurso na Aleam

Published

on

Deputadas estaduais se solidarizaram com vereadora de Manaus que sofreu violência política durante pronunciamento na CMM, ocorrida nessa terça-feira (27).

Manaus (AM) – Em debate acirrado na Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam), a deputada estadual Alessandra Campêlo (Podemos) subiu o tom da luta contra a violência política de gênero, ao abordar o episódio em que a vereadora Professora Jacqueline (União) foi vítima na Câmara Municipal de Manaus (CMM), na última terça-feira (27).

No seu pronunciamento desta quarta-feira (28), Alessandra Câmpelo exibiu um vídeo que circula nas redes sociais no qual um grupo de vereadores tenta intimar a parlamentar, no momento em que ela falava na tribuna do Poder Legislativo Municipal.

“É lamentável. Vários vereadores homens com dedo em riste gritando com a vereadora, impedindo a vereadora de se pronunciar. Isso é violência contra a mulher, principalmente partindo de um homem que tem uma compleição física inclusive maior que a da vereadora. Quero me solidarizar com a vereadora Professora Jacqueline pela violência sofrida”, disse Alessandra.

A deputada informou ainda que a Procuradoria Especial da Mulher da Aleam está de portas abertas para prestar atendimento psicossocial e jurídico à vereadora. Além disso, Alessandra adiantou algumas providências e disse que levaria o caso à Ouvidoria da Mulher do Tribunal Regional Eleitoral do Amazonas (TRE-AM) e ao Ministério Público do Estado (MPE-AM), que integram a rede de proteção às mulheres que atuam na vida pública.

Durante aparte, Débora Menezes (PL) prestou solidariedade a vereadora Jacqueline e destacou que não tinha dúvida que se fosse com um homem a atitude não seria a mesma. “Não podemos permitir que isso ocorra seja na Câmara ou na Assembleia ou mesmo em qualquer canto do país”, criticou Débora.

“Como mulher muitas vezes somos desrespeitadas e vítimas do sistema. E o que consigo constatar que isso é um reflexo desta gestão. Violência verbal também é um tipo de violência e não podemos cercear o direito de pronunciar da vereadora, então presto minha solidariedade”, reforçou a parlamentar.

O tema tomou conta dos debates na Casa por quase uma hora. Os parlamentares Roberto Cidade (União), Rozenha (PMB), Wilker Barreto (Cidadania) e João Luiz (Republicanos) apoiaram as falas das mulheres.

A única divergência partiu do deputado Daniel Almeida (Avante), irmão do prefeito David Almeida (Avante), que tentou defender um dos vereadores que teria cometido a violência que foi o vereador Rauzinho, líder do prefeito na CMM.

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *