Connect with us

Política

Wilson sobre potássio: “Não podemos seguir um discurso ambiental que condena nossa população à miséria”

Published

on

Manaus (AM) – O governador do Amazonas, Wilson Lima (União), defende a exploração sustentável do potássio no Amazonas, afirmando que “não se pode adotar um discurso ambiental apenas para ser exibido globalmente, enquanto a população é colocada de joelhos e condenada à miséria”.

A declaração foi feita, nesta segunda-feira (28), enquanto o governador presidia a 303ª reunião ordinária do Conselho de Desenvolvimento do Estado do Amazonas (Codam) que aprovou diversos projetos econômicos para Zona Franca de Manaus (ZFM).

Wilson Lima diz acompanhar com preocupação a questão do potássio e acredita que a legislação ambiental deve ser seguida, mas também afirma que “a gente não pode estar condenado a viver à míngua. A gente não pode concordar com discurso de proteção ambiental apenas para o mundo ver, colocando nossa população de joelhos”.

“Por quê o Canadá, países da Europa, Estados Unidos e outras regiões do mundo têm o direito de explorar suas riquezas, proporcionar conforto à sua população, garantir tratamento de esgoto e oferecer conectividade, enquanto nós, que moramos aqui na Amazônia, temos que ficar condenados à miséria? Não dá para aceitar e concordar com esse tipo de discurso”, questiona O líder do executivo.

Licença Ambiental

O Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (Ipaam) aguarda a finalização de um estudo conduzido pela Fundação Nacional dos Indígenas (Funai) para avaliar a concessão de uma licença ambiental para a exploração de potássio no município de Autazes, situado a 113 quilômetros de Manaus.

A Funai está realizando uma análise detalhada para determinar se a exploração do minério pode ocasionar prejuízos às terras indígenas já demarcadas, que estão localizadas próximas da área onde a empresa Potássio do Brasil planeja operar.

No dia 9 de agosto, o Ministério dos Povos Originários, em conjunto com a Funai, determinou a suspensão de todo o processo de licenciamento até que um segundo estudo na região seja concluído.

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *