Connect with us

Política

Com temor de danos no Congresso, governo Lula condena invasões, mas cede cargos ao MST

Published

on

 

Pressionado por novas invasões do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), seu aliado histórico e ativo na última campanha eleitoral, o governo Lula cedeu ao grupo e trocou, nesta terça-feira, mais postos regionais do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra).

Em público, porém, ministros elevaram o tom contra o movimento e criticaram as ações, na tentativa de conter danos no Congresso. Responsável pela área, Paulo Teixeira (Desenvolvimento Agrário) condicionou a continuidade do programa de reforma agrária à desocupação das propriedades.Em paralelo, das 29 superintendências do Incra, sete foram trocadas por nomes indicados por movimentos populares do campo de cada estado. As mudanças foram publicadas no Diário Oficial da União. O governo já havia atendido em parte a reivindicação de substituir superintendentes nomeados durante o governo de Jair Bolsonaro.

Nos últimos dias, o MST invadiu fazendas em Pernambuco, uma área da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) no estado e outra da empresa Suzano no Espírito Santo, além de ocupar sedes do Incra em 12 estados. Para dar uma resposta, o ministro Paulo Teixeira se posicionou pela desocupação das terras.

“A minha opinião é que essa jornada de luta já acabou. Estamos pedindo as retiradas, para prosseguir o programa de reforma agrária. O nosso condicionante é esse. O governo já tem compromisso com a reforma agrária. Tem programas a apresentar. E sse tipo de ação nessa direção não muda nada”, afirmou o ministro.

De acordo com aliados de Lula, o presidente vem afirmando que é contra invasões de terras produtivas. Segundo relatos, o petista chegou a afirmar que, se o governo é contra invasões ao Palácio do Planalto, ao Congresso e ao Supremo Tribunal Federal (STF), em referência aos atos golpistas de 8 de janeiro, será contra a ocupação de áreas privadas e produtivas.O petista, contudo, não pretende se manifestar publicamente.

A falta de posicionamento mais contundente poderá criar obstáculos no Legislativo. Integrantes de partidos da base aliada afirmam que as bandeiras do MST não têm respaldo em diversas legendas, o que pode refletir em constrangimentos.

O deputado Evair de Melo (PP-ES), um dos vice-presidentes da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), chegou a protocolar na Procuradoria-Geral da República (PGR) um pedido de prisão de João Pedro Stédile, líder do MST — Stédile foi à China na comitiva de Lula. Na avaliação do deputado, os posicionamentos de ministros são insuficientes.

“O governo está numa sinuca de bico. Aceitou apoio político do MST durante a campanha eleitoral. O MST diz que caminhou com Lula e agora está cobrando apoio de volta. O governo percebeu que não tem apoio da população para isso. A grande maioria é contra invasão de propriedade privada. O governo está com um elefante na sala, pois não tem como se livrar do MST, diz o parlamentar.

O MST foi um dos responsáveis por organizar a Vigília Lula Livre, que esteve por 580 dias em frente à sede da Polícia Federal em Curitiba, enquanto o petista esteve preso. Lula já agradeceu publicamente o apoio do movimento neste período. João Paulo Rodrigues, líder nacional do MST, foi um dos coordenadores da campanha de Lula à Presidência.

Fonte: O GLOBO

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *