Connect with us

Internacional

O russo Sergey Lavrov inicia pelo Brasil a sua turnê na América Latina com carga misteriosa de 5 toneladas

Published

on

O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, inicia hoje uma missão no Brasil que o levará a vários países da América Latina até o final da semana. Lavrov deve manter conversas bilaterais com seu homólogo brasileiro, Mauro Vieira, a partir de cerca de 10 h e – a seguir – deve se encontrar com o presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva. No centro das conversas está a crise na Ucrânia, tema sobre o qual o próprio Lula voltou em sua recente viagem à China, sem poupar críticas aos Estados Unidos e a Kiev. Nos “fóruns internacionais” e nos “contatos bilaterais”, sublinha o Itamaraty, o Brasil defende “a cessação imediata das hostilidades” e afirma “a importância de unir esforços diplomáticos que facilitem a obtenção de uma solução negociada pacífica”.

Nos Emirados Árabes Unidos, voltando de uma visita de quatro dias à China, Lula voltou a comentar a crise no Leste Europeu, destacando que a Ucrânia, assim como a Rússia, também decidiu entrar em guerra, o que torna “muito difícil” para alcançar a paz. “Entrar em uma guerra é muito mais fácil do que sair dela. A decisão foi tomada pelos dois países. Agora estamos tentando construir um grupo de Estados que não tenham envolvimento com o conflito, que não queiram a guerra e que queiram construir a paz no mundo, falando tanto para a Rússia quanto para a Ucrânia”, disse Lula de Abu Dhabi. O presidente brasileiro também destacou a importância do diálogo com os Estados Unidos e a União Europeia sobre o dossiê ucraniano.

Temos que convencer a todos que a paz é a melhor forma de promover qualquer processo de diálogo. Mas, do jeito que as coisas estão, a paz está muito difícil”, observou Lula, para quem uma iniciativa de diálogo para a Ucrânia deveria ser mediada por um grupo semelhante ao G20, que inclui países “neutros”. O líder brasileiro explicou que conversou sobre isso com Xi e também com o presidente dos Emirados, Mohamed bin Zayed al-Nayan. “Temos que sentar em uma mesa e dizer basta. A guerra nunca trouxe e nunca trará nenhum benefício”, sublinhou, não deixando de atacar os EUA porque “continuam a contribuir para o prolongamento do conflito”, bem como os presidentes da Rússia e da Ucrânia, Vladimir Putin e Volodymyr Zelensky, porque “eles não tomam nenhuma iniciativa” para parar os combates.

Os dois países também intensificaram as relações durante a presidência de Jair Bolsonaro. Ainda na véspera da agressão à Rússia, numa altura em que grande parte da comunidade internacional se distanciava do Kremlin, o ex-presidente brasileiro voou para Moscovo para um encontro com o seu homólogo Putin. No centro da visita esteve a negociação para desbloquear o fornecimento russo de fertilizantes, produto crucial para o desenvolvimento da agricultura e da economia do Brasil.

Além disso, em 2022, com a Rússia sujeita a sanções económicas internacionais, os dois países registaram uma troca bilateral de 9,8 mil milhões de dólares, um valor recorde. Além da guerra, informa o Itamaraty, Lavrov e Vieira falarão sobre comércio e investimentos, ciência e tecnologia, meio ambiente, energia, defesa, cultura e saindo de Brasília, Lavrov seguirá seu roteiro regional por outros três países historicamente próximos de Moscou: Venezuela, Nicarágua e Cuba. O presidente da Venezuela, Nicolas Maduro, sempre ofereceu ao Kremlin “todo o apoio” na crise ucraniana, enquanto o chanceler da Nicarágua, Denis Moncada, foi a Moscou no final de março defender o direito da Rússia de proteger a “integridade e a segurança” do seu território. Lavrov deve chegar a Havana na quarta-feira, 19, coincidindo com a inauguração do novo Parlamento e a consequente, mais do que provável, reeleição de Miguel Díaz-Canel como presidente.

Fonte: agenzianova.com

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *