Connect with us

Brasil

Lula diz que Venezuela ‘tem mais eleições do que o Brasil’ e que conceito de democracia é ‘relativo’

Published

on

Brasília – O presidente Luiz Inácio Lula da Silva voltou a defender a Venezuela, regime autoritário contestado pela maioria do mundo ocidental. “A Venezuela tem mais eleições do que o Brasil. O conceito de democracia é relativo para você e para mim”, disse o petista em entrevista à Rádio Gaúcha.

Ainda assim, Lula declarou que gosta de democracia e a exerce com plenitude. “O mundo inteiro sabe que a governança do PT é exemplo de exercício da democracia”, afirmou o presidente. “O que não está correto é a interferência de um país dentro de outro”, acrescentou, para tentar se distanciar das críticas à Venezuela.

Quem quiser derrotar o (presidente da Venezuela, Nicolás) Maduro, derrote nas próximas eleições e assuma o poder. Vamos lá fiscalizar. Se não tiver eleição honesta, a gente fala”.

Em relação a um outro aliado de esquerda altamente contestado, o presidente da Nicarágua, Daniel Ortega, Lula garantiu que vai conversar com ele para resolver “os problemas da Igreja”. O regime autoritário da Nicarágua faz perseguição a padres católicos.

Na entrevista, o presidente ainda voltou a defender o financiamento de obras no exterior, como na  Argentina, medida criticada em outros governos petistas. “Quando a gente financia obras no exterior, está exportando engenharia”.

Em janeiro, durante viagem a Buenos Aires, Lula já havia defendido Venezuela e Cuba. Ele disse que era preciso tratar os países “com carinho”. Na ocasião, Lula comparou os embargos contra Cuba e Venezuela com a ocupação da Rússia na Ucrânia, dizendo que é a favor da soberania dos povos.

“Sou contra ingerências externas nos processos venezuelanos. É preciso resolver com diálogo e não com bloqueio”, afirmou. “Precisamos tratar Venezuela e Cuba com muito carinho.

Em maio, Lula recebeu presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, no Palácio do Planalto. Sem citar violações de direitos humanos e políticos reconhecidos pelas Nações Unidas, o petista isentou Maduro de responsabilidades sobre crise econômica que atinge o país e condenou as sanções que recaem sobre o regime chavista.

Ao lado de Maduro, Lula afirmou, na época, que a Venezuela precisava divulgar sua “narrativa” sobre a situação política e econômica do país.

Nessa terça (27), o Tribunal Penal Internacional (TPI) autorizou que seu procurador retome as investigações sobre supostos crimes contra a humanidade cometidos na Venezuela pelo governo de Maduro.

Com informações do Estadão.

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *